Aroma que cura - Os benefícios da Aromoterapia e dos Óleos essenciais

Aroma que cura - Os benefícios da Aromoterapia e dos Óleos essenciais

 

Foto: Freepik

A Aromoterapia é um ramo da fitoterapia que utiliza o aroma e as partículas liberadas por diversos óleos essenciais para estimular diferentes partes do cérebro. Esses aromas e partículas promovem um estímulo sensorial no organismo e se mostram bastante eficaz no tratamento de doenças físicas e emocionais. Dentre os benefícios da aromoterapia temos: aliviar os sintomas de ansiedade, insônia, dor, depressão, resfriado, promover o bem-estar e fortalecer as defesas do corpo.

Essa terapia revela que existem ligações entre o olfato e os sentimentos. Ao inalar os aromas os canais olfativos mandam a mensagem para o sistema límbico, que a é parte do sistema nervoso responsável pelas emoções, fazendo com que o cérebro reaja modificando o humor.

Os óleos essenciais usados na Aromoterapia são substâncias concentradas e complexas obtidas de flores, folhas, frutos e raízes através diversas formas de extração. Considerados como a “alma” das plantas, esses óleos são líquidos voláteis compostos por elementos orgânicos como: carbonos, óxidos, cetonas etc. Eles atuam em nosso organismo restaurando a energia curativa e proporcionando o equilíbrio entre corpo, mente e espírito.

Os óleos essenciais são encontrados em várias plantas na forma de pequenas gotas entre as células, onde agem como hormônios reguladores e catalisadores. São produzidos pelas plantas para protegê-las contra o ataque de parasitas, atuam na fertilização e ajudam a planta se adaptar ao meio ambiente.

O interesse por aromas e essências é antigo. Civilizações como Egito, China, Grécia, e Roma já faziam uso de óleos, incensos e perfumes em rituais ou sessões de cura espiritual. Alguns estudiosos da aromoterapia afirmam que Cleópatra, Rainha do Egito, já conhecia os benefícios dos aromas. Ela impregnava as velas que serviam para iluminar seus aposentos com óleo de Jasmim e assim seduzir seu amado Marco Antônio. Porém foi no século XX que ocorreu a estruturação medicinal da Aromoterapia.

O químico francês René Maurice Gattefossé observou o poder curativo do óleo de lavanda em uma queimadura. Já o médico francês Jean Valnet descobriu que os óleos essenciais contêm propriedades cicatrizantes, antivirais, antibacterianas, antifúngicas e antissépticas no tratamento de feridos durante a Segunda Guerra Mundial. Já a bioquímica Margaret Maury foi pioneira e inseriu a visão holística com a aplicação de massagens de acordo com as características da personalidade do paciente. Em 1978, o Dr. Paul Belaiche publicou sobre o uso clínico de óleos essenciais no tratamento de doenças infecciosas e degenerativas e por fim o químico francês Henri Viaud foi o responsável pela publicação de critérios de pureza e qualidade que os óleos devem cumprir para serem adequados para fins médicos.

Óleos essenciais x Essências

 óleos essenciais

Foto: Freepik

Os óleos essenciais são extraídos diretamente das plantas, possuem efeito terapêutico e farmacológico, já as essências são aromas sintéticos desenvolvidos em laboratórios e agem apenas em nossa memória olfativa e não possuem ação terapêutica.

Apesar de serem substâncias naturais, os óleos essenciais não estão isentos de alguma toxidade. O óleo extraído dos vegetais é geralmente setenta vezes mais concentrado e alguns deles contêm tuyona ou miristicina que são considerados neurotóxicos e podem provocar convulsões em alta dosagem. Devido a esses fatores é fundamental estar sempre atento à procedência e legitimidade do óleo essencial escolhido.

Benefícios da Aromoterapia

O The Iranian Journal of Nursing and Midwifery um jornal científico do Irã publicou um estudo que revela que mulheres que fizeram a aromoterapia com lavanda durante 15 minutos no pós-parto tinham menos chances de apresentar sintomas de depressão pós-parto ou ansiedade no geral. Essa terapia holística apesar da desconfiança de alguns e reconhecida pela Associação Brasileira de Medicina (ABMC) como um tratamento curativo complementar.

Os benefícios da aromoterapia são físicos e mentais e sua eficiência está diretamente ligada à escolha correta da técnica e dos óleos essenciais que serão usados. O tratamento com os aromas é um complemento a outras terapias após uma avaliação física e psicológica a fim de descobrir quais são as necessidades de cada paciente. 

Estudos revelam que o óleo essencial de lavanda aumenta a sonolência e melhora o bom humor. Já o óleo de limão ajuda na cura de um processo infeccioso e o óleo de alecrim diminui a ansiedade.

Além dos efeitos dos aromas na mente humana existem os efeitos fisiológicos dos óleos essenciais com suas propriedades bactericidas, antifúngicas etc. Estes óleos penetram na membrana celular e se dissolvem bem em nosso organismo. Centenas de remédios usados pela medicina tradicional possuem compostos extraídos de óleos essenciais como mentol e cânfora.

A Aromoterapia é uma técnica auxiliar aos tratamentos médicos. Ela visa o bem-estar do paciente por completo. Procure sempre um aromoterapeuta para lhe dar todas as indicações de forma correta e eficaz.

Confira alguns óleos essenciais e para que servem: 

  • Alecrim – combate o cansaço mental, falta de memória, dificuldade de concentração, dor de cabeça, enxaqueca, dores musculares e dores articulares.
  • Anis – Auxilia no sistema digestivo, é diurético e estimula a abertura dos poros. Muito usado também na higiene bucal. Não indicado em caso de gravidez, epilepsia e hipertensão.
  • Bergamota – combate o excesso de estresse, depressão, ansiedade, infecções da pele e má digestão.
  • Canela – combate o cansaço físico ou mental. Tonturas, irritabilidade, dor de cabeça, falta de concentração, cólicas menstruais e dificuldade em relaxar.
  •  Camomila – combate o excesso de estresse, tensão muscular, depressão e inflamação do sistema urinário. Não deve ser usado nos primeiros meses de gravidez.
  • Copaíba – Excelente cicatrizante, combate infecções intestinais, gripes e resfriados.  Ativa a circulação e reduz o estresse.
  • Cardamomo - É analgésico e digestivo; promove bem-estar amenizando dores musculares e desconfortos digestivos. Também é eficiente contra frigidez, pois estimula o apetite sexual.
  • Eucalipto – combate os problemas respiratórios, reumáticos, dor de cabeça, enxaqueca, dores musculares, febre e tensão muscular. Serve como repelente de insetos, assim como a citronela e também é bactericida.
  • Erva-doce – Afrodisíaco, relaxante muscular, diurético, purgativo. Regula a TPM e o sistema digestivo. Não utilizar em crianças pequenas, pessoas com epilepsia, endometriose e câncer. 
  • Gerânio – Regula a disfunção hormonal na TPM e a menopausa. Atua, também, como calmante, antidepressivo e sedativo.
  • Hortelã Pimenta – Alivia a dor de cabeça e a enxaqueca. Atua também como antisséptico, calmante e descongestionante.  Não deve ser usado antes de dormir, durante a gravidez ou tratamentos homeopáticos.
  • Jasmim - Um ótimo relaxante, tanto muscular como dos nervos. É capaz de provocar um estado de pleno controle, mas sem funcionar como sedativo. Se aplicado diretamente na pele, é um ótimo regenerador de peles maduras e secas. Não usar em caso de gravidez e epilepsia.
  • Lavanda – combate o estresse, dor de cabeça, resfriados, insônia e problemas respiratórios. É também antidepressivo, regulador hormonal e calmante, regenera os tecidos e é um ótimo cicatrizante. Não deve ser usado na gravidez ou em caso de epilepsia.
  •  Limão – combate à falta de concentração, ansiedade, excesso de estresse, falta de energia, sistema imune enfraquecido, dor de cabeça, má digestão e febre.
  • Manjericão – Combate aos males estomacais e digestivos. Melhora a memória, atua como sedativo e tonifica o Sistema Nervoso Central. Não deve ser usado na gravidez e nem em crianças menores de dez anos.
  •  Patchouli – Atua como anti-inflamatório, antisséptico, antibiótico, afrodisíaco, antidepressivo e calmante.
  •  Rosa - Indicado para tratamento antidepressivo e de falta de autoestima. Também promove melhoras em doenças ou distúrbios dos sistemas digestivo, nervoso e circulatório. Evitar durante os primeiros meses de gravidez.
  • Sândalo – combate a dor no peito, excesso de estresse, tensão muscular, diminuição da libido. Atua, também, como antidepressivo, diurético e descongestionante. 
  • Tea Tree – Atua como bactericida, cicatrizante, expectorante, anti-inflamatório e antisséptico. É um dos poucos óleos que pode ser aplicados diretamente na pele. Faça o teste de sensibilidade antes de seu uso.
  • Ylang-Ylang – Combate a ansiedade, excesso de estresse, dor de cabeça, náuseas, pressão alta, problemas intestinais e atua na redução do crescimento de pelos. Não deve ser usado por pessoas com a pressão baixa.

 

Os óleos essenciais são muito concentrados e por isso não devem ser utilizados em contato direto com a pele, pois podem causar vermelhidão, coceira ou fotossensibilidade. Os óleos essenciais devem ser misturados com os chamados óleos carregadores. Os carregadores como o óleo de copaíba, de amêndoas doce ou semente de uva, diminuem a concentração dos óleos essenciais permitindo sua aplicação na pele.

São raras as técnicas que permitem o uso do óleo essencial in natura, antes de seu uso é fundamental realizar um teste de alergia. Compre sempre óleos essências biológicos certificados, eles têm menos risco de conter toxinas e outros produtos que possam intoxicar o organismo.

Diversos fatores influenciam a eficácia do tratamento dentre eles os seus métodos de aplicação que podem ser por inalação, aromatização, evaporação, banhos etc. Confira abaixo algumas dessas técnicas em detalhes:

 Aromatizador

Foto: Unsplash

- Inalação – É a principal e mais benéfica forma de usar os óleos essenciais da aromoterapia. Essa técnica permite que as moléculas consigam chegar facilmente ao cérebro, criando alterações no funcionamento do corpo.

As inalações devem começar leves e ir aumentando em número e intensidade gradativamente.  Para fazer a técnica de forma correta deve-se respirar o óleo diretamente do frasco, inspirando profundamente e segurando o ar por 2 a 3 segundos.

           - Inalações curtas: 3 a 7 respirações seguidas, várias vezes ao dia.

           - Inalações médias: 10 a 15 respirações seguidas, várias vezes ao dia.

           - Inalação longa: 10 a 15 minutos de respirações seguidas, de 2 a 3 vezes ao dia.

 

Aromatizador – Neste acaso devem ser adicionadas duas ou três gotas do óleo de sua escolha no interior de um aparelho com água para que este crie uma nuvem de fumaça e libere o aroma por todo o cômodo. Uma dica mais econômica é colocar as gotas dos óleos numa xícara com água fervente e à medida que a água for evaporando o aroma é liberado.

 

Evaporização – essa técnica consiste em aplicar algumas gotas em bolas de algodão ou compressas, permitindo que o óleo vá evaporando e liberando o sua aroma.

 

Sprays – É um método que ajuda espalhar o aroma por todos os locais que se deseja. Basta adicionar algumas gotas do óleo essencial diluído no recipiente do spray, sacudir e borrifar por todo ambiente. É ótimo para purificar o cômodo de alguém que esta se recuperando de uma doença, por exemplo.

 

-Vaporização – Essa técnica é excelente para tratar problemas respiratórios ou resfriados. Para fazer a vaporização deve-se colocar água fervente em uma bacia e depois adicionar algumas gotas na água. Após isso é só respirar o vapor liberado cobrindo a cabeça com uma toalha. Mas atenção: A vaporização só é permitida para crianças maiores de sete anos de idade.

 

Massagem – Esta é a forma ideal de aplicar o óleo diretamente na pele, mas fique atento, o óleo essencial deve ser misturado ao óleo vegetal. Para 30 ml (três colheres de sopa) de óleo vegetal, adicione até 20 gotas de óleo essencial.  Ideal para tratar dores musculares, infecções, problemas de pele ou dores nas articulações.

 

Banhos – Usar os óleos essenciais durante o banho alia os benefícios da inalação, o vapor da água espalha o aroma pelo ar, e da massagem. Basta colocar cerca de 25 gotas de óleo essencial em uma banheira diretamente na água.

 

Escalda-Pés - Para realizar essa técnica é só colocar os pés dentro de uma bacia com água quente, sal grosso e gotas de óleos essenciais como: o óleo de cravo, eucaliptocitriodora ou tomilho. Deixe os pés submersos nessa mistura por três minutos. Em seguida coloque os pés em uma bacia com água fria por 20 segundos. Repita este procedimento três vezes e termine com os pés na água fria.

As técnicas listadas acima são aplicadas de acordo com o objetivo e o benefício que pretende ser alcançado. O ideal é sempre procurar um especialista para que ele faça a análise e indicação corretas.

 

Aromoterapia no combate a Depressão e a Ansiedade

 

A chamada psicoaromoterapia estuda os feitos dos aromas de óleos essenciais na mente humana. Estes aromas quando inalados estimulam as células nervosas olfativas e este estímulo é capaz de desencadear reações como ativação do sistema límbico, que está diretamente ligado aos nossos comportamentos sociais e nossas emoções. É o sistema límbico que une as informações sensitivo-sensoriais com nosso estado psíquico. Devido a essa atuação no nosso organismo a Aromoterapia se mostra como técnica auxiliar no tratamento de doenças como ansiedade e depressão. Veja abaixo alguns óleos indicados:

 

Lavanda – é capaz de reduzir os níveis de cortisol, hormônio responsável pelo estresse. Atua, também, no sistema cardiovascular e ajuda a diminuir a irritabilidade, sensação de pânico e inquietação.

 

 Vetiver - esse óleo essencial é conhecido por suas propriedades antioxidantes. Ajuda a combater os radicais livres e auxilia o corpo a se livrar de toxinas e poluentes.  O vetiver também melhora a saúde emocional. Segundo estudos, quando ratos receberam vetiver, o efeito foi similar ao do diazepam, um remédio prescrito para ansiedade, que possui efeito sedativo e calmate.  Recentemente, este óleo foi incluído em tratamentos de déficit de atenção e hiperatividade para adultos e crianças.

 

Bergamota - Foi comprovado em um estudo de 2015, que o óleo de bergamota melhora o humor, reduz fadiga e diminui os níveis dos hormônios do estresse. Outro estudo mostrou que o óleo de bergamota tem propriedades calmantes e que reduzem a ansiedade.

Olíbano - um dos óleos essenciais mais conhecidos. Foi citado na Bíblia várias vezes e é muito usado na sociedade moderna. Dentre seus diversos benefícios, está o potencial de superar o estresse estimulando regiões límbicas do cérebro. Um estudo do departamento de enfermagem da Universidade Keimyung, na Coreia do Sul, mostrou que, quando usado em massagens, o olíbano reduz a ansiedade e depressão do paciente.

Faça você mesmo:

Uma dica para aplicar a aromoterapia em sua casa de forma simples é fazer um aromatizador caseiro. Coloque as pétalas de uma rosa branca em 60 ml de álcool e deixe descansar por 30 minutos. Após isso, basta coar as pétalas e acrescentar três gotas do óleo essencial de sua preferência.

Para amenizar as cólicas menstruais dilua uma gota de camomila romana em 10 ml de óleo vegetal de amêndoa doce e massageie a barriga.

Se você deseja dar brilho e aumentar o crescimento dos cabelos acrescente 25 gotas Ylang- Ylang em 100 ml de seu condicionador ou creme de pentear.

Contraindicações da Aromoterapia

Apesar de todos os benefícios acima descritos o uso da aromoterapia e dos óleos essenciais possuem contraindicações. Por serem altamente concentrados, os óleos podem causar manchas sobre a pele se usados e expostos ao sol.

No caso de gestantes, recomenda que evite o uso dos óleos essenciais até o quinto mês de gravidez. Para as crianças são recomendadas dosagens mínimas, uma ou duas gotas em um aromatizador e não deve ser aplicado na pele.

O óleo de Ylang-Ylang é um dos óleos essenciais que possuem uma contradição específica. Por ter um aroma forte e exótico deve ser evitado por pessoas com pressão baixa.  Já outros óleos devem ser evitados por hipertensos, epiléticos etc. Para saber quais os recomendados e quais os contraindicados para você o ideal é procurar a orientação de um aromoterapeuta.

Agora você já conhece todos os benefícios da aromoterapia e como ela pode melhorar sua qualidade de vida e bem-estar. Aproveite todas as dicas acima e conte para nós os resultados nos comentários.

 

Fonte:

Livros:

A arte da aromoterapia – Robert Tisserand

Aromoterapia – Sâmia Maluf

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Return to top