Diga “como” andas que eu te direi quem és. Confira a importância de saber o seu tipo de pisada

Diga “como” andas que eu te direi quem és.  Confira a importância de saber o seu tipo de pisada

Uma das partes mais importantes do nosso corpo são os pés. Uma estrutura de 26 ossos e 33 articulações além de tendões e músculos, responsável por ser a nossa base de sustentação e realizar praticamente todas as nossas funções como caminhar, subir e descer, correr etc. Mantê-los limpos, bem cuidados e saudáveis auxilia no equilíbrio de todo o organismo, como também previne o aparecimento de doenças sérias no futuro.

“A importância dos pés está no fato de que dependemos dele para tudo. Ele é um aparelho que foi feito para sustentar uma determinada carga e é muito eficiente se bem cuidado através de um tratamento preventivo.” – afirma o podoterapeuta Luiz Pedreira, criador da rede Spé, o Spa do Pé.

Pés bem cuidados são sinônimo de um corpo saudável e pronto para suportar a correria do dia- a dia. De acordo com o podoterapeuta, os cuidados com os pés existem desde o tempo das Cavernas. “Naquela época já existia a preocupação em cobrir os pés com talas de madeiras ou pele de animais. Temos informações, também, que os egípcios, gregos, romanos e os chineses tinham pessoas especializadas para os cuidados com essa área do corpo.” – afirma.

Além de todos os cuidados preventivos e rotineiros que são essenciais para manter a boa saúde dos pés e prevenir doenças saber qual o seu tipo de pisada também é fundamental para a sua qualidade de vida. 

Mas como saber qual o seu tipo de pisada e por que isso é tão importante?

A forma como os pés tocam o chão tem influência direta na caminhada e como isso irá se refletir na estrutura e sustentação de nosso corpo. É preciso entender o alinhamento dos pés e a forma que eles tocam o solo para tratar algumas lesões na coluna, tornozelo e joelhos, por exemplo.

“A sua pisada é a sua base. Problemas na coluna podem ser decorrentes do uso de um calçado inadequado em conjunto com uma pisada errada. Se você não faz uma avaliação da sua pisada, você não tem como corrigir esse e outros problemas relacionados, que são consequências deste erro.” – afirma Pedreira.

Existem três tipos de pisada classificadas pelos fisioterapeutas e ortopedistas. A Neutra, a Supinada e a Pronada que são categorizadas de acordo com o modo que o pé se apoia para tocar o chão a cada passo. É a forma de pisar de cada indivíduo que determina diversas características individuais como o formato dos pés, alinhamento dos joelhos e até a flexibilidade das articulações.

“Todas as pessoas tem o direito de fazer o teste da pisada para melhorar a sua qualidade de vida. A  forma de pisada você vai desenvolver a partir dos 19/20 anos. Ela sempre tem uma evolução e vai mudando com o decorrer do tempo.” – explica Luiz.

Como descobrir o seu tipo de pisada?

Uma das formas mais avançadas de se descobrir a seu tipo de pisada é a Baropodometria, que consiste em uma análise feita sobre o baropodômetro (um equipamento de filmagem) que obtém a dinâmica de cada passo, com todas as informações para que o fisioterapeuta ou ortopedista identifique o seu tipo de pisada.  Através dela é possível ver não só a forma de pisar do individuo como, também, é possível analisar disfunções no corpo que podem gerar lesões.

“É importante você fazer uma análise da sua pisada”. Hoje temos o exame chamado Baropodometria, que está analisando a pisada dos brasileiros, fazendo com que eles saibam o seu tipo de pisada e escolham sapatos mais adequados com palmilhas personalizadas. Você deve ir um laboratório fazer um teste. Esse não é um teste da pisada parado pura e simplesmente, você faz caminhando e assim tem uma noção real da anatomia do seu pé. – explica o podólogo.

Os exames de Baropodometria pode ser feitos em vários locais espalhados por todo o Brasil, um deles é o CAFT (Centro de Avaliação e Treinamento) localizado no Rio de Janeiro. Alguns eventos de podologia, fisioterapia ou medicina esportiva também oferecem os testes de pisada de forma gratuita.

Identificando corretamente o seu tipo de pisada através de exames e análises se consegue prevenir e curar diversos problemas que afetam pés, joelhos, quadris e coluna. Caso o sistema de amortecimento do indivíduo esteja correto ele irá pronar (apoio na parte interna do pé) ou supinar (apoio na parte externa do pé) de forma equilibrada. Porém quando isso se torna excessivo, ou seja, o amortecimento de impacto esteja sobrecarregando a parte interna ou externa do pé, o corpo fica mais propenso a diversas dores, doenças e lesões. 

“O joanete, por exemplo, se forma devido à pisada inadequada. Ele é um reflexo disso somado ao uso de um calçado inadequado.” – exemplifica Luiz Pedreira. “Eu tenho uma dor de cabeça, acho que é uma enxaqueca, por exemplo. Talvez não seja. Ela pode ser proveniente de um calçado inadequado ou uma forma de pisar que não está perfeita e precisa ser adequada.” – diz.

A importância de saber qual o seu tipo de pisada aumenta ainda mais caso você seja um atleta profissional ou amador e utiliza dos pés como a principal ferramenta de trabalho como: os corredores e jogadores de futebol. É através da análise da pisada que se previne lesões graves nos pés, joelhos e tornozelos, evita o surgimento de calos, calosidades e bolhas, como também, auxilia na melhora do desempenho físico através do fortalecimento dos pés e da elaboração de palmilhas sob medida.

As palmilhas sob medida são feitas especialmente para cada atleta após a realização de exames e testes específicos. Elas garantem uma melhora na eficiência biomecânica (performance do nosso corpo) através da correção para um bom alinhamento das articulações, melhora da atuação muscular e melhor adaptação do pé ao calçado (evita que o pé fique solto e assim perca energia para ações como impulsionar e chutar.)   

Pequenos desajustes nos pés, tornozelos ou joelhos já são suficientes para que ocorra uma perda de velocidade, resistência ou força. Além de ser uma predisposição para dores e lesões. As palmilhas feitas sob medida, através do teste da pisada, possibilitam ao atleta distribuir corretamente toda a carga corporal sobre os pés e alcançarem um desempenho próximo ao ideal.

Um exemplo disso é o tenista Thomaz Belluci que adotou as palmilhas sob medida para eliminar dores no tornozelo e os jogadores de futebol do Botafogo que as escolheram para prevenir lesões e melhorar o desempenho físico.  

Quais os tipos de pisada?

Tipos de Pisada

De acordo com ortopedistas e fisioterapeutas existem três tipos de pisadas que são:

- Pisada Neutra: Esse tipo de pisada acontece quando o pé atinge o solo de maneira uniforme, com o peso distribuído praticamente igual por toda a planta ou base. Ortopedistas consideram que esta é a pisada mais correta porque favorece a absorção dos impactos pelo corpo sobre as articulações.  As forças de cada pisada são aplicadas de forma igual entre dos lados internos e externos do pé diminuindo assim riscos de problemas na estrutura do corpo (pés, joelhos e coluna) no futuro.

-Pisada Pronada: A Pisada pronada é muito comum entre os atletas. Ela ocorre quando o apoio do pé no chão é feito primeiro com a parte interna da planta. Isso acontece, geralmente, pela a rotação excessiva do pé e do tornozelo. Pessoas com este tipo de pisada costumam desgastar mais a parte lateral interna dos calçados.

A chamada pronação dos pés pode ter como consequências o desalinhamento dos tornozelos, joelhos e quadris, como também ocasionar a fascite plantar que é uma inflamação da faixa de tecido fibroso chamada fáscia plantar (responsável por proteger contra lesões os músculos e tecidos mais frágeis da planta do pé como, também, manter a integridade da própria estrutura do pé) em sua junção com o calcanhar. 

Uma forma de evitar lesões ocasionadas por esse tipo de pisada é realizar um trabalho de fortalecimento desta região do pé através de exercícios e alongamentos.

-Pisada Supinada: Este tipo de pisada é o oposto da chamada pronada. A pisada supinada ocorre quando o pé faz contato com o chão prioritariamente com a parte externa da planta ou base. Pessoas com este tipo de pisada costumam desgastar mais o lado de fora da sola de seus calçados. Em longo prazo suas consequências costumam a ser bolhas, rachaduras, tendinites e posteriormente, lesões mais graves nos joelhos e pés como joanetes e artrose.

Os erros e inadequações no tipo de pisada podem ser decorrentes de fraqueza muscular, deformações ósseas, má adaptação do corpo a partir de um movimento errado ou brusco e principalmente devido a alterações no arco plantar que originam os chamados de pés chatos ou pés cavos.

O arco plantar tem como função distribuir a carga corporal e absorver o impacto que chega até os pés durante as atividades do dia-a-dia. Alterações neste arco ocasionam problemas em toda a estrutura do corpo.

 Tipos de pés

Pés chatos – Pé chato é quando toda a planta do pé encosta no chão, ou seja, a sola e o arco do pé estão achatados anormalmente e com isso as pressões ficam concentradas na parte de dentro dos pés. É essa alteração no arco plantar que leva a uma pisada pronada.

Os chamados pés chatos são muito comuns em crianças, porque o pé ainda está em desenvolvimento e só forma uma estrutura ideal a partir dos 10 anos de idade. Esses tipos de pés não possuem muita eficiência em absorver impactos, o que ocasiona lesões como fascite plantar, joanetes e dores no tornozelo e joelho.

Pés cavos – O pé cavo é o aumento da curvatura do arco interno do pé. Essa curvatura excessiva se caracteriza pela distribuição de peso em apenas dois pontos do pé: o calcanhar e os dedos dos pés. É essa alteração no arco plantar que leva a uma pisada supinada. É um pé geralmente mais rígido e sua estrutura tem menos eficiência na absorção de impacto o que ocasiona problemas como fascite plantar, metatarsalgia (dor nos ossos metatarsais, que são pequenos ossos que formam os dedos e o peito do pé) e dores no calcanhar.

Essas variações e alterações no arco plantar são normalmente hereditárias, porém, alguns fatores como obesidade infantil (o peso excessivo sobrecarrega o pé e atrasa o desenvolvimento do arco que fica rebaixado na vida adulta), sedentarismo (menor mobilização dos membros inferiores na infância tem como resultado uma musculatura menos desenvolvida na vida adulta), lesões ou traumas, envelhecimento (com a idade ocorre o enfraquecimento da musculatura e a degeneração dos tecidos, ligamentos e tendões) e doenças neurológicas também podem ocasionar problemas nessa estrutura do pé.

A partir da análise e estudo do tipo de pé e da pisada de cada indivíduo é possível prevenir lesões e corrigir problemas decorrentes de uma caminhada inadequada. Uma das formas de correção é através da elaboração de palmilhas sob medida. Elas melhoram o posicionamento do arco plantar, favorecem o amortecimento da pisada,  aumentam a área de contato dos pés e assim a carga corporal ficará mais bem distribuída.

“É importante que as pessoas saibam que já tem tecnologia suficiente para que com um valor pequeno você consiga adequar a sua pisada e o seu calçado. Uma palmilha feita sob medida dura em torno de 5 a 6 anos.” – afirma Luiz.

Separamos abaixo alguns dos modelos de palmilhas mais comuns para você:

- Palmilhas Bimecânicas: As palmilhas chamadas de biomecânicas são uma solução prática e eficiente para ajudar na cura das dores em articulações e músculos. Elas são confeccionadas com base em uma avaliação do tipo de pisada do paciente, além de outros testes de equilíbrio, mobilidade etc. Este tipo de palmilha ajuda a controlar os movimentos incorretos dos pés (por exemplo, pronação excessiva) que podem levar a disfunções no tornozelo, joelho e quadril. São muito usadas, também, por atletas que desejam melhorar seu desempenho sem gerar problemas em sua saúde.

- Palmilhas de Silicone: São palmilhas especiais produzidas com sistema anti-impacto. Confeccionadas com silicone, possuem boa resistência e aumento da capacidade de amortecimento prevenindo possíveis torções leves nos tornozelos, joelhos e articulações como os tendões. São macias, flexíveis e geralmente aplicáveis em qualquer tipo de calçado. Ideais para o uso diário (por exemplo, de pessoas que ficam muitas horas de pé.). 

- Palmilhas Ortopédicas: Estas palmilhas são indicadas de acordo com a prescrição médica e confeccionadas por um profissional qualificado como: um fisioterapeuta. São elaboradas de acordo com as características individuais de cada pessoa como o seu tipo de pisada e postura corporal, após uma avaliação rigorosa além da realização de testes.

“As palmilhas mais adequadas são aquelas feitas a partir da análise do seu pé e da sua pisada. Você deve ir a um laboratório especializado para fazer o teste que é não só com você parado, mas também caminhando.” – explica Luiz.

Outra forma de corrigir o tipo de pisada e prevenir dores ou lesões são os exercícios e alongamentos para os pés. Eles reposicionam e proporcionam maior flexibilidade aos tecidos, fazendo com que o pé se adapte melhor ao solo, favorecendo o equilíbrio e amortecimento de impactos, diminuindo assim as chances de lesão.

Separamos abaixo alguns exercícios e alongamentos que você pode começar a fazer em casa:

  • Mantenha uma toalha dobrada no chão, sobre ela coloque o pé esticado e tente puxar a toalha com os dedos para frente e para trás, sem levantar a sola do pé. Faça o exercício pelo menos quinze vezes cada pé.
  • Outra opção é: você deve sentar-se sobre os joelhos. Seu calcanhar deve estar sob a pélvis e a base do pé deve estar esticada. Fique com as costas retas, incline-se um pouco para trás e apoie o peso do corpo nos pés. Contraia os músculos do tronco. Fique assim por 30 segundos. Repita os exercícios por três vezes.
  • Por último, Coloque uma toalha dobrada no chão, dobre os dedos sobre ela, apoiando a extremidade dorsal do pé. Permaneça com esta parte de cima dos pés apoiada na toalha com 15 segundos. Após isso relaxe. Faça isso por três vezes seguidas em cada pé.

 

“Caso sua rotina seja muito corrida: Pegue uma bolinha de tênis e gire-a sob cada pé enquanto assiste televisão ou fala ao telefone”. – ensina o podoterapeuta.

Outra dica é massagear a planta dos pés com dois polegares, dando “pancadinhas” sob o calcanhar. Após isso, gire o pé de um lado para o outro e puxe cada dedo, seguindo uma ordem. Essas ações mesmo que simples já ajudam a melhorar a saúde dos seus pés.

A análise e o estudo de seu tipo de pisada em conjunto com o tratamento preventivo e algumas medidas simples que você aprendeu na leitura acima podem fazer toda a diferença em seu dia-a-dia.  Essas ações auxiliam na redução de dores e na melhora do seu bem- estar e qualidade de vida.

Agora que você já sabe a importância de conhecer qual o seu tipo de pisada e como isso pode ajudar em sua saúde conte para nós o que achou. Escreva abaixo nos comentários suas observações e dúvidas.

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Return to top